O Que os Crashes Anteriores Podem Nos Ensinar Sobre Como Navegar no Atual?

A regularidade das quedas nos mercados é um lembrete de que paciência é fundamental para investir nos mercados de ações.

Paul Kaplan 16/04/2020 22:13:00

As circunstâncias do atual colapso dos mercados podem ser exclusivas da pandemia de coronavírus, mas levam os investidores a pensar: essas quedas são normais nos mercados acionários ou são diferentes?

Durante a crise financeira global de 2007-2009, alguns observadores descreveram os eventos que se desenrolaram como um "cisne negro", significando um evento negativo único que não podia ser previsto porque nada semelhante havia acontecido antes. Mas os dados que eu vi da Ibbotson Associates, uma empresa especializada em coletar retornos históricos do mercado (que a Morningstar adquiriu em 2006 e se fundiu com a Morningstar Investment Management LLC em 2016), demonstraram uma longa história de quedas no mercado. Algumas acabaram fazendo parte de uma crise financeira maior.

Portanto, se esses "eventos de cisne negro" acontecem com alguma regularidade - com muita frequência para torná-los verdadeiros eventos de cisne negro - então o que são? Eles são mais parecidos com "galos negros", de acordo com Laurence B. Siegel, o primeiro funcionário da Ibbotson Associates e agora diretor de pesquisa do CFA Institute Research Foundation. Em um artigo de 2010 para o Financial Analysts Journal, ele descreveu um galo negro como "um evento que está em toda parte nos dados - acontece o tempo todo - mas para o qual o observador é voluntariamente cego".

Aqui, dou uma olhada nas quedas de mercado anteriores, para ver como a atual crise de mercado causada pelo coronavírus se compara.

 

Quão Frequentes São os Crashes de Mercado?

O número total de quedas no mercado depende de quanto tempo recuamos na história e como os identificamos.

Nesse caso, considerei as quedas de mercado nos últimos quase 150 anos. O gráfico abaixo usa retornos mensais reais do mercado de ações dos EUA desde janeiro de 1886 e retornos anuais no período de 1871 a 1885, que compilei originalmente para o livro de Siegel em 2009, Insights Into the Global Financial Crisis. Aqui, uso o termo "bear market" (mercado em queda, em tradução livre)(geralmente definido como uma queda de 20% ou mais) de forma intercambiável com o termo "crash do mercado".

Cada episódio do bear market é indicado com uma linha horizontal, que começa no valor cumulativo máximo do episódio e termina quando o valor cumulativo se recupera no pico anterior.

O gráfico mostra que, durante esse período de quase 150 anos, US$ 1 (em US$ 1870) investidos em um hipotético índice do mercado de ações dos EUA em 1871 teria crescido para US$ 15.303 até o final de março de 2020.

Mas não foi um passeio tranquilo para chegar lá. Houveram muitas quedas ao longo do caminho, algumas das quais graves.

O mercado sempre acabava se recuperando e alcançava novos máximos, mas pode ter sido difícil acreditar nisso durante alguns dos mercados em baixa de longo prazo, incluindo:

  • A queda de 79% devido à quebra de 1929, que levou à Grande Depressão, a pior queda no gráfico.
  • A queda de 54% de agosto de 2000 a fevereiro de 2009, também conhecida como Década Perdida. A segunda pior queda no gráfico, esse período começou quando a bolha ponto-com explodiu. O mercado começou a se recuperar, mas não o suficiente para recuperar o valor acumulado de volta ao nível de agosto de 2000, antes do crash de 2007-09. Ele não atingiu esse nível até maio de 2013 - quase 12 anos e meio após o crash inicial.
  • A queda de 51% entre junho de 1911 e dezembro de 1920. Essa desaceleração do mercado, a quarta pior do gráfico, pode ser mais relevante para a situação atual, já que incluiu a pandemia de Gripe Espanhola de 1918.

 

Esses exemplos mostram que as quedas do mercado ocorreram inúmeras vezes ao longo dos séculos 19, 20 e 21 (mesmo antes da queda do coronavírus). O reconhecimento de sua frequência pode ajudar a fornecer uma melhor noção dos riscos do investimento em ações.

 

Medindo a Dor Das Quedas Do Mercado

Para medir a gravidade de cada colapso do mercado de uma maneira que leve em conta o grau do declínio e quanto tempo levou para voltar ao nível anterior de valor acumulado, calculei um "índice de dor" para cada um.

O índice de dor para um determinado episódio é a razão da área entre a linha de valor acumulado e a linha de pico/recuperação, em comparação com essa área para o pior declínio do mercado nos últimos 150 anos. Portanto, o colapso de 1929/primeira parte da Grande Depressão tem um índice de dor de 100%, e as porcentagens de outros colapsos no mercado representam a proximidade com que atingiram esse nível de gravidade.

Por exemplo, o mercado sofreu uma queda de 22,8% durante a crise dos mísseis em Cuba. A queda de 1929 levou a uma queda de 79%, 3,5 vezes maior. Isso é significativo, mas o mercado também levou quatro anos e meio para se recuperar após esse período, enquanto levou menos de um ano para se recuperar após o período da Crise dos Mísseis em Cuba. Assim, o índice de dor, considerando esse período, mostra que a primeira parte da Grande Depressão foi, de fato, 28,2 vezes pior que a queda da Crise dos Mísseis em Cuba.

O gráfico abaixo lista os mercados em baixa nos últimos quase 150 anos, classificados pela gravidade da queda do mercado. Também mostra o índice de dor e as classificações do índice de dor.

Maiores Quedas Reais Na História Dos Mercados Acionários Americanos

 

Ranking de Declínio

Declínio (%)

Pico

Até

Recuperação

Ranking de Dor

Índice de Dor (%)

Evento(s)

 

1

79

Ago 1929

Mai 1932

Nov 1936

1

100

Quebra de 1929 & Grande Depressão

 

2

54

Ago 2000

Fev 2009

Mai 2013

3

85.51

Década Perdida (Bolha Ponto-Com & Crises Financeiras Globais)

 

3

51.87

Dez 1972

Set 1974

Jun 1983

4

80.41

Inflação, Guerra do Vietnã e Watergate

 

4

50.96

Jun 1911

Dez 1920

Dez 1924

2

89.34

Primeira Guerra Mundial & Gripe Espanhola

 

5

49.93

Fev 1937

Mar 1938

Fev 1945

5

59.57

Grande Depressão & Segunda Guerra Mundial

 

6

37.18

Mai 1946

Fev 1948

Out 1950

6

29.06

Bear Market do Pós-Guerra

 

7

35.54

Nov 1968

Jun 1970

Nov 1972

7

14.22

Bear Market Inflacionário

 

8

34.22

Jan 1906

Out 1907

Ago 1908

8

8.23

Pânico de 1907

 

9

30.41

Abr 1899

Jun 1900

Mar 1901

9

8.18

Pânico de 1901

 

10

30.21

Ago 1987

Nov 1987

Jul 1989

10

7.73

Black Monday

 

11

27.32

Out 1892

Jul 1893

Mar 1894

16

3.14

Problemas no Padrão-Prata

 

12

22.8

Dez 1961

Jun 1962

Abr 1963

14

3.55

Auge da Guerra Fria & Crise dos Mísseis em Cuba

 

13

22.04

Nov 1886

Mar 1888

Mai 1889

11

6.25

Depressão & Greves nas Ferrovias

 

14

21.67

Abr 1903

Set 1903

Nov 1904

12

5

Rich Man’s Panic

 

15

21.13

Aug 1897

Mar 1898

Aug 1898

15

3.2

Afloramento da Guerra dos Bôeres

 

16

20.55

Set 1909

Jul 1910

Fev 1911

17

3.11

Consequências da Lei Sherman Antitruste

 

17

20.11

Mai 1890

Jul 1891

Fev 1892

13

4.8

Crise do Banco Baring Brothers

 
                 

Fontes: Kaplan et al. (2009); Ibbotson (2020); Morningstar Direct; Goetzmann, Ibbotson, and Peng (2000); Pierce (1982); www.econ.yale.edu/~shiller/data.htm.

 
 

 


Uma Comparação Direta dos Crashes Mais Graves do Mercado

O gráfico abaixo coloca a recente liquidação do mercado de ações no contexto das cinco outras falhas mais graves do mercado, para comparar seu tempo até a recuperação.

Em termos de inclinação, o declínio atual é sério - coincide aproximadamente com a queda inicial durante o crash de 1929. Os outros episódios mais graves incluem o bear market inflacionário durante o Vietnã/Watergate, a segunda metade da Grande Depressão/Guerra Mundial II, a Década Perdida e a crise pandêmica da Primeira Guerra Mundial/Gripe Espanhola que mencionei anteriormente.

Naturalmente, há muita variação na duração e gravidade de cada episódio. Essas cinco quedas tiveram uma média de 57 meses entre o início do declínio e quando o mercado atingiu seu nível mais baixo, 125 meses entre o início do declínio e o momento em que o mercado atingiu seu pico anterior, e uma queda média de 57,15%. Além desses episódios, houve também outros 12 mercados em baixa no período de 150 anos. No geral, os crashes de mercados ocorrem aproximadamente a cada nove anos.

É impossível saber quanto tempo esse declínio específico durará e quanto tempo levará a recuperação, mas essas médias facilitam a compreensão de quantas vezes o céu também parecia estar caindo nos últimos 150 anos - frequentemente por períodos mais longos - e que o mercado sempre acabou recuperando seu valor, e depois ainda mais.

Esse padrão também está presente em todo o mundo. Por exemplo, no Canadá, houve um declínio de mercado aproximadamente uma vez a cada sete anos nos últimos 64 anos. As nuances variam - o tempo médio de recuperação do Canadá é de 34 meses -, mas a tendência geral de quedas regulares no mercado e recuperações subsequentes é semelhante.

 

Com Riscos Vêm Recompensas Para Quem é Paciente

Esses dados históricos de retorno do mercado de ações fornecem evidências claras de que os crashes no mercado não são tão únicos quanto se poderia imaginar. O termo "galo preto" é mais adequado, pois aparece de vez em quando - e o acidente causado por coronavírus de hoje é apenas o exemplo mais recente.

Dado o que esses dados mostram sobre a regularidade das quedas de mercado, fica claro que o risco de mercado é mais do que apenas volatilidade. O risco de mercado também inclui a possibilidade de mercados deprimidos e eventos extremos.

Esses eventos podem ser assustadores no curto prazo, mas essa análise mostra que, para investidores que podem permanecer no mercado a longo prazo, os mercados de ações ainda continuam a oferecer recompensas por assumir esses riscos.

 

SOBRE O AUTOR

Paul D. Kaplan, Ph.D., CFA, é diretor de pesquisa da Morningstar Canada. Ele é membro do conselho editorial da revista Morningstar.

CONTRIBUIDOR

Nicolas Owens é editor chefe da Morningstar, Inc.

REVISTA MORNINGSTAR

Uma versão deste artigo aparece na edição do segundo trimestre de 2020 da revista Morningstar. Saiba como os profissionais financeiros podem se inscrever gratuitamente.

 

 

Artigo original em https://www.morningstar.com/features/what-prior-market-crashes-can-teach-us-in-2020

About Author

Paul Kaplan  Paul Kaplan is Director of Research for Morningstar Canada.

© Copyright 2020 Morningstar, Inc. Todos os direitos reservados.

Termos de Uso        Política Privacidade        Cookies