Títulos Corporativos Com segundo Maior Spread em 20 anos

Exceto quando o mercado quebrou em 2008, os títulos corporativos estão sendo negociados com seus maiores spreads de crédito e preços mais baixos em dólares nos últimos 20 anos.

Dave Sekera, CFA 26/03/2020 16:25:00

Nota do editor: leia as últimas informações sobre como o coronavírus está agitando os mercados e o que os investidores podem fazer para navegá-lo.

 

Nas últimas semanas, os spreads de crédito no mercado de títulos corporativos aumentaram substancialmente. Até 20 de março, o spread médio de crédito em nosso índice de grau de investimento aumentou 299 pontos-base, para +396. Em nosso índice de high yield, o spread médio de crédito disparou 643 pontos base, para +999.

Nos níveis atuais, os títulos com grau de investimento e os títulos arriscados (junk bonds) ainda estão sendo negociados dentro da faixa que foi esticada durante a crise global de crédito de 2008-09. Isto não é surpreendente; o mercado de títulos corporativos estava essencialmente quebrado naquele momento, com o medo da solvência de todo o sistema financeiro empurrando os preços dos títulos para valores de falência. Para situar o nível atual dos títulos com grau de investimento em um contexto histórico mais relevante, a única outra vez em que os títulos com grau de investimento foram negociados perto destes níveis de spread de crédito foi em 2002, após o estouro da bolha ponto.com e os escândalos contábeis da Enron e da MCI. WorldCom. Estes escândalos rapidamente levaram essas duas empresas com grau de investimento à falência e fizeram o mercado questionar as práticas contábeis de muitas outras empresas em todo o universo de grau de investimento. O outro incidente mais similar foi no final de 2011, com receios de que o contágio da crise bancária e da dívida soberana européia decorrente do default da Grécia, pudesse prejudicar a economia dos EUA.

Os títulos high yield também estão sendo negociados com um spread mais apertado do que durante a crise financeira global. A última vez em que estes títulos foram negociados perto destes níveis foi em 2001, quando muitas empresas entraram em default após a bolha tecnológica e os valores de recuperação foram significativamente inferiores ao esperado. As outras semelhanças mais próximas foram em 2011, durante a crise dos bancos e das dívidas soberanas na Europa, e no início de 2016, quando os preços do barril de petróleo caíram para os $30s. Naquela época, o setor de energia constituía 16% do índice de high yield e o preço médio destes títulos caiu para níveis alarmantes, o que estava essencialmente próximo do seu valor de recuperação de falência para esses emissores.

Um dos benefícios do investimento em dívida é que o preço de um título será apoiado no lado negativo, uma vez que ele se aproxime do valor de recuperação de uma empresa em falência. Com o aumento dos spreads de crédito, o preço médio dos títulos no mercado de high yield caiu 20 pontos, para cerca de 80 centavos de dólar. Embora todos os setores estejam sob pressão significativa, os setores que serão mais afetados negativamente no curto prazo estão sendo negociados a preços de títulos muito mais baixos. O setor de energia foi especialmente atingido. O spread médio de crédito no setor de energia de high yield aumentou duas vezes mais do que o restante do índice. Isso fez com que o preço médio dos títulos no setor de energia caísse mais de 40 pontos, para menos de 50 centavos de dólar. Nesse nível, os investidores não estão mais precificando esses títulos pelo yield que podem fornecer, mas avaliando os títulos pelo que eles acham que o valor de recuperação da empresa em falência seria. Os preços dos títulos para muitos outros setores que serão mais fortemente afetados pela desaceleração econômica também foram negociados em níveis mais próximos do seu valor de recuperação de falências. Como o preço de um título se aproxima do valor da recuperação, há poucas razões para vender. Além disso, a oferta dos investidores em distressed debt, que são especializados na compra de dívidas de empresas que estão em falência ou perto da inadimplência, deve limitar ainda mais o risco de queda dos preços.

Além de o risco de queda adicional ser mitigado pelos baixos preços do dólar, a combinação de flexibilização monetária e novos programas de liquidez instituídos pelo Federal Reserve e a implementação de programas fiscais atualmente negociados pelo Congresso devem limitar o impacto econômico negativo da pandemia de coronavírus. Além disso, houve notícias positivas sobre a eficácia potencial dos medicamentos existentes que podem ajudar no tratamento de pacientes com COVID-19.

Fugas de High Yield Atingem Níveis Recordes

No mês passado, houve uma tremenda pressão de venda no mercado de high yield de investidores institucionais e de varejo. Durante a semana encerrada em 18 de março, houve cinco semanas consecutivas de saídas de fundos abertos de high yield e negociados em bolsa. Nas últimas cinco semanas, as saídas de US$ 17,5 bilhões mais do que compensaram as entradas anteriores e, até o momento, US$ 14,4 bilhões foram resgatados do universo de high yield. Esse período registrou a maior quantidade de saídas registradas ao longo de cinco semanas desde que começamos a rastrear estes dados, em junho de 2009.

Mais recentemente, porém, os amplos spreads de crédito tentaram alguns investidores a mergulhar de novo nas águas de high yield. Em 19 e 20 de março, as saídas foram revertidas em captação, pois havia US$ 443 milhões a mais entre os ETFs de high yield.

Informações Importantes Para os Investidores

Os spreads de crédito corporativo estão em níveis semelhantes aos de seu pico em outros períodos de turbulência no mercado. Nesses níveis, uma quantidade significativa do risco de queda de títulos corporativos já foi precificada. O mercado de títulos corporativos está precificando rebaixamentos nos setores de energia e cíclico. De fato, muitos dos emissores que correm o risco de serem rebaixados de grau de investimento para high yield já estão negociando em níveis de high yield. Além disso, na classe de ativos de high yield, os preços dos títulos das empresas que serão mais afetadas pela desaceleração econômica ou pelos baixos preços do petróleo estão sendo negociados a preços que refletem o valor estimado de uma empresa em falência. Quando os preços dos títulos atingem esses valores de recuperação, esse preço normalmente atua como um piso e limita ainda mais os riscos de queda.

Embora ninguém possa cronometrar o fundo do mercado, e o momento/inércia atual certamente poderia continuar ampliando os spreads de crédito, para investidores capazes de aguentar volatilidade adicional agora pode ser um momento oportuno para reequilibrar as carteiras de renda fixa e começar a aumentar a exposição em fundos de crédito corporativos.

 

Este artigo foi escrito em nome da Morningstar, Inc. e não é a visão do DBRS Morningstar.

 

Artigo original em https://www.morningstar.com/articles/973818/corporate-bonds-at-second-widest-level-in-20-years

About Author

Dave Sekera, CFA  é analista sênior de investimentos da Morningstar.

© Copyright 2020 Morningstar, Inc. Todos os direitos reservados.

Termos de Uso        Política Privacidade        Cookies