Pequenos Passos Para Reduzir o Risco de Sua Carteira

Os investidores podem tomar medidas pequenas para reduzir o perfil de risco de um portfólio sem fazer uma revisão abrangente.

Amy C. Arnott, CFA 22/04/2020 17:50:00

Nota do editor: leia as últimas informações sobre como o coronavírus está agitando os mercados e o que os investidores podem fazer para navegá-lo.

 

Se o atual ambiente de mercado o deixa tenso, você não está sozinho. Além do fator humano da pandemia de coronavírus, existem muitas incertezas financeiras. O mercado caiu 23,5% do pico de 20 de fevereiro a 31 de março, enquanto a volatilidade subiu para níveis nunca vistos desde a crise financeira global. As perspectivas econômicas são igualmente incertas, com previsões de especialistas que variam de quedas modestas no produto interno bruto a crises mais catastróficas.

Com toda essa incerteza, investidores nervosos podem ficar tentados a vender seus investimentos e refugiar-se em caixa. Provavelmente é um erro, pois coloca a emoção firmemente no banco do motorista. Em vez de fazer uma revisão rápida e abrangente, considere as seguintes pequenas etapas para reduzir o risco de um portfólio:

  1. Siga o plano (ou crie um).
  2. Faça uma verificação de risco.
  3. Assuma o controle.

 

Siga o Plano (Ou Crie Um)

Ter um plano de longo prazo é essencial para melhorar suas chances de sucesso ao longo do tempo. Se você tinha um plano de diversificar com ações, títulos e caixa antes da crise, não há motivos para fazer grandes alterações com base nos eventos recentes. (Uma exceção seria se você estiver preocupado com a segurança no emprego de curto prazo; nesse caso, você pode querer turbinar seu caixa um pouco mais do que o habitual: talvez 12 meses em despesas de moradia em vez da orientação padrão de seis meses.) , seu mix de ativos deve se basear em suas metas e necessidades individuais (incluindo horizonte de tempo, tolerância a riscos etc.) em vez de expectativas de mercado a curto prazo.

Até os gestores institucionais que tentam implementar estratégias táticas de alocação de ativos (em outras palavras, a troca entre ações e títulos com base em mudanças em suas perspectivas econômicas ou em outros fatores) falharam quase uniformemente em fazer esse trabalho. O risco de vender depois que as ações já caíram significa que você obtém retornos mais baixos e corre o risco de perder a eventual recuperação. De fato, já vimos alguns dias mais brilhantes desde a baixa de curto prazo do mercado em 23 de março. Perder alguns dias positivos pode diminuir drasticamente os retornos ao longo do tempo.

Para manter a diversificação de ativos do seu portfólio alinhada, pode ser necessário reequilibrar a transferência de mais ativos para ações, agora que os valores delas caíram. Se você iniciou o ano com um mix de ativos 60/40, por exemplo, provavelmente dever estar mais próximo de um mix 55/45 de ações e títulos neste momento. Em geral, defendemos o reequilíbrio de um portfólio pelo menos uma vez por ano ou sempre que uma classe de ativos se desviar significativamente mais alto ou mais baixo do que o nível desejado. O reequilíbrio quando as coisas estão mais de 5% acima ou abaixo dos níveis-alvo é uma boa orientação.

Claro, é mais fácil falar do que fazer. Mas a maioria dos estudos acadêmicos descobriu que o reequilíbrio tende a reduzir o nível de risco de um portfólio ao longo do tempo - e pode melhorar os retornos, forçando você a comprar na baixa e vender na alta após uma mudança significativa no mercado.

 

Verifique os Principais Riscos

Se você inserir seu portfólio no Gerenciador de Portfólio da Morningstar, poderá obter uma visão detalhada da diversificação e perfil de risco de seu portfólio com nossa ferramenta de raio-x do portfólio, incluindo concentrações em ações individuais, exposição do setor, qualidade de crédito e risco de taxa de juros. Veja como verificar esses possíveis fatores de risco.

Participações em Ações Concentradas

Como regra geral, geralmente aconselhamos limitar qualquer exposição a uma ação única a menos de 10% do total de seus ativos, principalmente para ações emitidas por seu empregador. Se você receber prêmios em ações, como opções de ações ou ações restritas, como parte de seu pacote total de remuneração, sua posição poderá ter aumentado com o tempo. E pode ser difícil recuperar grandes participações sem obter ganhos de capital tributáveis significativos. O lado positivo da recessão recente é que qualquer ganho não realizado que você teve antes provavelmente encolheu. Isso cria uma oportunidade de reduzir as participações sem sofrer tanto com impostos. Você também pode fazer o "planejamento de escalonamento", que envolve a realização de ganhos de capital ao longo do tempo para evitar se colocar em um escalão mais alto para ganhos de capital. (Consulte um consultor tributário para obter mais detalhes sobre sua situação específica.)

Exposição Setorial Concentrada

Também vale a pena verificar a exposição setorial do seu portfólio, para garantir que você não esteja sobrecarregado em nenhuma área específica. Nosso relatório raio-x do portfólio mostra a exposição por setor em seu portfólio. Você também pode comparar a ponderação de cada setor a uma referência de mercado. Considere fazer alguns ajustes se algum setor em particular estiver muito acima ou abaixo da referência em um determinado setor. Na crise mais recente, setores como energia e finanças foram atingidos com mais força, enquanto os setores de saúde, tecnologia e defesa do consumidor se mantiveram um pouco melhor.

Qualidade de Crédito

A qualidade do crédito é outro risco potencial que vale a pena explorar para as participações em renda fixa. Como os investidores se preocuparam com os efeitos colaterais econômicos do coronavírus, os títulos de high yield foram duramente atingidos. Essas quedas no preço dos títulos foram exacerbadas por problemas de liquidez, já que os gestores de fundos de high yield foram forçados a vender em condições desfavoráveis, para atender aos pedidos de resgate. Como resultado, o fundo médio de títulos high yield perdeu 12,7% no primeiro trimestre de 2020.

A vantagem dessas perdas é que os spreads de crédito aumentaram, o que significa que os investidores estão sendo compensados com rendimentos mais altos em troca de assumir maiores riscos de crédito. Porém, os títulos de alto rendimento historicamente tem sido mais voláteis do que outros títulos de renda fixa e sofreram profundas perdas durante as crises econômicas. Em uma crise econômica severa e/ou prolongada, a qualidade do crédito corporativo continuaria se deteriorando. Isso, por sua vez, leva a um maior risco de inadimplência de títulos. Os investidores avessos ao risco provavelmente devem preferir títulos com grau de investimento, como empresas de nível superior, títulos do Tesouro e títulos lastreados em hipotecas.

Risco de Taxa de Juros

Como os recentes cortes nas taxas do Fed levaram as taxas de juros ainda mais baixas, os títulos de longo prazo subiram. A Categoria Morningstar de fundos de títulos governamentais de longo prazo registrou retornos totais de 20,5% no primeiro trimestre de 2020. No entanto, a sensibilidade da taxa de juros pode ser cortada nos dois sentidos. Quando as taxas de juros invertem o curso, os títulos do governo de longo prazo sofrem perdas trimestrais de 13% ou mais. Essa volatilidade os torna difíceis de usar em um portfólio. Mesmo que você não espere que as taxas de juros aumentem tão cedo, a maioria dos investidores provavelmente desejará se concentrar em fundos de títulos de curto e médio prazo para as principais empresas de renda fixa.

 

Controle o Que Você Pode

Com tudo tão incerto no momento, é fácil ficar preso em uma espiral interminável de "e se" - e se o número de mortos for maior do que os especialistas estão prevendo, e se a economia ficar na UTI por anos, e se o mercado não se recuperar por um longo tempo, e assim por diante Essas são questões importantes para as quais ainda não sabemos as respostas neste momento. Mas, em vez de ficar preso à ansiedade financeira, tente pensar no que você pode controlar. Pode haver etapas simples que você pode seguir - como aumentar as contribuições para o seu plano de aposentadoria ou reduzir temporariamente sua taxa de retirada se você já estiver aposentado - que podem melhorar seus resultados a longo prazo e oferecer mais senso de controle.

 

Conclusão

Em tempos de incerteza, há uma tentação de fazer alguma coisa. Esse viés em agir geralmente surge durante crises de mercado, quando os investidores podem ser tentados a fazer grandes alterações em suas carteiras para limitar as perdas. Mas, especialmente considerando o alto nível atual de incerteza, é melhor se concentrar em pequenos passos para reduzir o risco, em vez de fazer movimentos maiores que podem ser contraproducentes.

 

 

Artigo original em https://www.morningstar.com/articles/977741/baby-steps-for-reducing-risk

About Author

Amy C. Arnott, CFA  é diretora de análise de ativos da Morningstar.

© Copyright 2020 Morningstar, Inc. Todos os direitos reservados.

Termos de Uso        Política Privacidade        Cookies