Por Que As Bolhas De Ações Não São Consideradas Inflação?

Os bancos centrais devem começar estabilizando os ativos

Yan Barcelo 25/08/2020 01:22:00

Em sua vida, o baby boomer médio experimentou seis grandes quedas de mercado em ações, títulos ou imóveis. Isso é muito. A maioria delas provavelmente poderia ter sido evitada se os bancos centrais optassem por evitá-las. É por isso que alguns analistas consideram que é chegada a hora de os bancos centrais buscarem não apenas preços estáveis ao consumidor, mas também preços de ativos estáveis.

O principal mandato dos bancos centrais é a estabilidade dos preços ao consumidor, e essa luta contra a inflação tornou-se cada vez mais ilusória, acredita Jean-Pierre Couture, economista-chefe e gestor de portfólio da Hexavest. “O mandato deles está completamente desatualizado, diz ele. Desde 1874, a inflação anual ultrapassou os 10% por apenas dois motivos: guerras e choques do petróleo. Desde os choques do petróleo de 1972, a inflação foi extremamente moderada. Hoje, os banqueiros centrais estão perseguindo um fantasma. Na verdade, eles praticamente não têm controle sobre a inflação. Com a fluidez do comércio e as alternativas globais às quais as pessoas podem recorrer, é uma quimera.”

Na realidade, como mostra a crise atual, os bancos centrais estão trabalhando além do tempo para estabilizar os preços dos ativos (que incluem ações, títulos e imóveis), principalmente títulos. Mas esse mandato está implícito e não anunciado como tal. Não é esse mandato "oculto" unilateral? “Certamente que é”, concorda Crista Caughlin, gestora de carteiras especializada em bonds da Mawer Investment Management. Nos últimos 15 anos, os bancos centrais têm saltado com a perna direita, intervindo maciçamente para manter os preços dos ativos flutuando, mas se esqueceram de praticar o salto com a perna esquerda, aumentando as taxas para evitar a formação de bolhas de ativos.

 

Muito Tarde, Muito Rápido

A última vez que os bancos centrais tentaram elevar as taxas foi do final de 2015 a 2018. Naquele momento, o Fed elevou as taxas de um piso de 0,14% em dezembro de 2015 até um pico de 2,4% em janeiro de 2019. “Mas as taxas de juros sobre o endividamento corporativo estava rapidamente se tornando proibitivamente alto, e o Fed tinha plena consciência do alto nível de endividamento corporativo”, lembra Couture. Em apenas 10 meses, de julho de 2019 a maio de 2020, o Fed baixou as taxas para 0,05%.

Couture afirma que o Fed aumentou as taxas tarde demais. Desde 2012, a economia estava se recuperando vigorosamente e o pleno emprego estava se tornando uma realidade tangível; o Fed e o Banco do Canadá tiveram todas as oportunidades de corrigir as taxas excessivamente baixas que haviam estabelecido e que estavam criando uma bolha na dívida corporativa. Mas eles adiaram. Quando chegaram a esse ponto, “o superendividamento corporativo e o enorme refinanciamento de títulos que viriam eram tais que as perspectivas mundiais se deterioraram rapidamente após os aumentos das taxas de juros, afirma Couture. Os bancos centrais foram forçados a recuar.”

Mas os bancos centrais não apenas intervieram tarde demais, como também pressionaram demais as taxas. Na ocasião, um analista destacou que passar de 0,14% para 2,40% foi um aumento de 15 fatores em menos de dois anos, uma taxa de aumento nunca vista. Inchadas de dívidas, as empresas simplesmente não podiam assumir a carga extra de pagamentos de juros.

 

Inflação No Quadro Geral

Caughlin considera ampliar a definição de "inflação". “Acho que a inflação dos preços dos ativos deve ser um componente da meta de inflação (dos bancos centrais), diz ela. A inflação é vista apenas como o balde do índice de preços ao consumidor, mas já nos anos de Greenspan víamos a inflação dos preços dos ativos, mas essa parte estava faltando.”

Por causa de sua relutância em chutar o balde de inflação de ativos com o pé esquerdo (aumentando as taxas de forma oportuna e sustentável), os bancos centrais permitiram que as bolhas inflassem além da razão. Eles se esqueceram de controlar a bolha da dívida corporativa e agora são obrigados a intervir para limpar as coisas. Esse é o papel desequilibrado a que se obrigaram. “Eles consideram que a estabilidade dos preços dos ativos não é sua preocupação, mas quando uma bolha estoura, é sua responsabilidade juntar os cacos, Couture aponta. Eles devem praticar a prevenção ao invés de reagir em pânico.”

O Banco do Canadá está de fato em modo de "limpeza". Recentemente, declarou que continuará seu programa atual de flexibilização quantitativa com compras em grande escala de pelo menos US$ 5 bilhões por semana em títulos do governo do Canadá. “Os programas de liquidez de curto prazo do Banco anunciados desde março para melhorar o funcionamento do mercado (ênfase adicionada) estão surtindo o efeito pretendido”, afirma o comunicado à imprensa. Está ajudando, mas é um resultado melhor do que se eles tivessem agido antes?

 

A Que Custo

Embora ele certamente não seja indiferente à ideia de estabilidade de preços de ativos, "adicioná-la ao mandato dos bancos centrais só complicaria as coisas", avalia Benjamin Reitzes, analista de taxas canadenses e macro estrategista da BMO Capital Markets. Ele teme que pressionar as taxas para controlar a inflação dos preços dos ativos acarretaria um preço muito alto na economia, especialmente no emprego. “Simpatizo com a ideia (de estabilização de preços de ativos), mas não tenho certeza se devemos levar muitas empresas à falência para conseguir isso.”

Além disso, pergunta Reitzes, “como você determina onde os preços dos ativos devem estar? Quais métricas devem ser usadas? Quando os preços são sobrevalorizados? Quando eles são desvalorizados?”

Couture e Caughlin têm respostas prontas para as objeções de Reitzes. Couture afirma que você não precisa de métricas extravagantes, apenas o simples bom senso para ver o que é óbvio. “Antes de 2018, todos alertavam que os níveis de dívida eram proibitivos: o FMI, a OCDE, o BIS, o Federal Reserve.” Os bancos centrais tinham toda a munição necessária para carregar suas armas de taxa de juros.

Quanto a pagar um preço econômico muito alto por meio da estabilização da inflação de ativos, Caughlin considera que já estamos pagando um preço alto e corremos o risco de um preço ainda mais alto a pagar no futuro. Atualmente, ao atuar como um enorme apoio do mercado, os bancos centrais estão injetando vida artificial nas empresas zumbis, tornando obsoletas a descoberta de preços e a análise fundamentalista e promovendo a má alocação de recursos. “Em seis a doze meses a partir de agora, ela diz, eles terão de reduzir, interromper as compras e facilitar a política monetária. Quanto mais tempo eles mantiverem isso, maior será a bolha.” E quanto mais prejudicial a explosão.

 

Artigo original em https://www.morningstar.ca/ca/news/204313/why-arent-stock-bubbles-considered-inflation.aspx

TAGS

About Author

Yan Barcelo

Yan Barcelo  é um jornalista veterano de economia e finanças com mais de 30 anos de experiência, escrevendo para muitas publicações em Toronto e Montral, incluindo CPA MagazineLes Affaires and Commerce. Ele ganhou diferentes prêmios, dentre eles duas medalhas de ouro e uma de prata da KRW Magazine Awards.

© Copyright 2020 Morningstar, Inc. Todos os direitos reservados.

Termos de Uso        Política Privacidade        Cookies