O Que É Value Investing?

Fala-se muito sobre investimento em valor (“value investing”) versus investimento em crescimento (“growth investing”), mas qual é realmente o estilo do investimento em valor?

Emma Rapaport 10/05/2021 11:40:00
Facebook Twitter LinkedIn

imagem 1

 

Algumas pessoas acreditam no Papai Noel. Outras acreditam na Fada do Dente. E muitos investidores acreditam que as ações de Valor irão superar as de Crescimento no longo prazo e serão muito menos voláteis ao longo do caminho.

A vantagem das ações de Valor é um mito que pertence à terra do Nunca? Aqueles que investiram durante as décadas de 1990 e 2010, impulsionados pelas ações de Crescimento, diriam que sim. Acadêmicos e gestores de fundos de ações de Valor, por outro lado, diriam não. Quem está certo?

À medida que as estratégias de Valor encenam seu esperado retorno, vamos dar uma olhada no que significa o termo investimento em Valor, examinar os dois lados do debate Valor/Crescimento e explicar o que isso significa para o seu portfólio.

 

O Que é Investimento em Valor?

O conceito de value investing (investimento em Valor) remonta pelo menos à década de 1920, quando Benjamin Graham e David Dodd começaram a lecionar finanças na Columbia University. Os princípios fundamentais do investimento em Valor foram posteriormente consagrados no clássico "Análise de Segurança" da dupla, publicado pela primeira vez em 1934.

A ideia é dolorosamente simples: compre ações a preços abaixo de seu valor intrínseco e espere pacientemente que o preço de mercado reflita seu verdadeiro valor. Graham procurou ações vendidas com descontos em seus ativos circulantes líquidos e, especificamente, aquelas com preço de 66% ou menos dos ativos circulantes subjacentes da empresa. Ao longo de um período de 30 anos até meados da década de 1950, esta carteira de ações ganhou expressivos 20% ao ano, em média.

A abordagem, tão elegante em sua simplicidade, acabou evoluindo para uma espécie de religião. Muitos dos discípulos de Graham e Dodd, mais notavelmente Warren Buffett, estão entre os investidores mais bem-sucedidos de todos os tempos.

 

O Argumento a Favor do Investimento em Valor

Nos anos subsequentes, inúmeros estudos acadêmicos provaram que Graham estava no caminho certo. Em 1986, por exemplo, Harry Oppenheimer estudou os retornos das ações listadas na NYSE e AMEX negociando a 66% ou menos de seus ativos circulantes líquidos entre 1970 e 1983. O retorno médio das ações do ativo circulante líquido durante o período foi de 29,4% a ano contra 11,5% ano para os índices combinados. Naquele mesmo ano, Roger Ibbotson estudou ações que estavam sendo negociadas abaixo de seu preço/valor contábil e  preço/lucro entre 1967 e 1984 e descobriu que ações com múltiplos de preços baixos tinham retornos significativamente melhores durante o período do que ações com múltiplos de preços altos.

Estudos que provaram a superioridade do value investing continuaram a aparecer ao longo do início da década de 1990. Eugene Fama e Kenneth French estudaram quase 30 anos de retornos mensais de ações entre 1963 e 1992. Eles mostraram que o baixo preço/valor contábil superou o alto preço/valor contábil em, em média, 4,9% ao ano.

O risco entrou na discussão em 1993. Josef Lakonishok, Robert Vishny e Andrei Schleifer examinaram os retornos de investimento de todas as empresas listadas na NYSE e AMEX em relação a seus índices de preço/valor contábil, preço/lucro, preço/fluxo de caixa entre 1968 e 1990. O trio descobriu que as estratégias de Valor não só ofereciam retornos mais elevados, mas também concluíam que as ações de Valor eram menos arriscadas: as ações de Valor geralmente superavam as ações de Crescimento durante os piores meses do mercado.

 

O Argumento Contra o Investimento em Valor

Apesar do que parece ser uma evidência esmagadora a favor do investimento em Valor, essa estratégia enfrentou desafios no final dos anos 1990 e nos anos 2010. O gráfico abaixo é um gráfico de crescimento relativo, que representa o desempenho do Russell 3000 Value Index em relação ao Russell 3000 Growth Index. Quando a linha sobe, o índice de Valor está superando. Quando ele desce, o índice de Crescimento apresenta desempenho superior. Você notará que Valor teve o melhor aumento por um período de mais de seis anos, emergindo do rescaldo da bolha de tecnologia, mas tem perdido terreno desde o segundo semestre de 2006.

image 2

 

O desempenho insuficiente atraiu os críticos. E os críticos levantaram alguns pontos difíceis de refutar. Mais notavelmente, nenhum desses estudos de Valor inclui os custos de compra e venda de ações e os estudos envolvem negociação regular ou rebalanceamento - todos os quais trazem retornos.

Os detratores também questionaram a ideia de que ações de Valor são inerentemente menos arriscadas do que ações de Crescimento - em outras palavras, eles não acreditam no conceito de "margem de segurança". Embora uma carteira de ações de Valor possa oferecer alguma margem de segurança, isso raramente é verdadeiro para uma ação individual.

Philip Morris (PM) é a prova disso. As ações começaram a ser negociadas em 1999 com uma relação preço/lucro na casa dos 20, abaixo do S&P 500. Os gesores de fundos de Valor argumentaram que as ações estavam sendo negociadas bem abaixo do valor de suas subsidiárias, Kraft Foods e Miller Brewing. Pela definição de Graham, a ação parecia ter uma margem de segurança. Quanto mais seu preço poderia cair?

Evidentemente, um pouco mais. Os contínuos litígios sobre tabaco reduziram o preço das ações da Philip Morris pela metade em 1999. O P/L das ações caiu para 7,2 no final do ano. As lições: ações baratas sempre podem ficar mais baratas, e uma ação barata nem sempre é uma pechincha. Isso é conhecido como armadilha de Valor - e temos mais detalhes sobre como identificá-la aqui.

"Apostar que o mercado fixou o preço incorreto de uma ação é uma proposta arriscada", diz Daniel Sotiroff, gerente de pesquisas da Morningstar US. "A previsão de fluxos de caixa futuros e taxas de desconto é marcada pela incerteza, porque o futuro é desconhecido. Em 2020, por exemplo, poucos teriam imaginado que um surto de vírus na China se espalharia rapidamente pelo mundo e desaceleraria a economia global, afetando os ganhos de curto prazo de muitas empresas."

Por fim, as ações de Valor têm sido menos confiáveis do que as ações de Crescimento em alguns mercados em baixa, como a recessão dos anos 1990. Naquele ano, o fundo médio de Large-Cap-Value perdeu 6,4%, enquanto o fundo médio de Large-Cap-Growth perdeu apenas 2,4%. Isso porque muitas ações de Valor são cíclicas e sensíveis aos ciclos econômicos, enfrentando dificuldades em recessões. Muitas ações de Crescimento, no entanto, prosperam durante as recessões, especialmente empresas estáveis nos setores de alimentos, bebidas e farmacêutico. Não importa quão difíceis sejam os tempos, todos nós precisamos comer e tomar nossos remédios.

 

Este artigo contém trechos da Morningstar Investing Classroom. Vários analistas da Morningstar também contribuíram para este relatório, incluindo o diretor de pesquisa de fundos passivos, Ben Johnson, o analista de pesquisa Daniel Sotiroff e o diretor de investimentos da Morningstar Investment Management EMEA, Dan Kemp.

 

Artigo original em https://www.morningstar.co.uk/uk/news/211296/what-is-value-investing.aspx

 

Facebook Twitter LinkedIn

About Author

Emma Rapaport  é editora sênior de Morningstar Austrália.

© Copyright 2021 Morningstar, Inc. Todos os direitos reservados.

Termos de Uso        Política Privacidade        Cookies