Quando Comprar Ações Diretamente

Uma oferta que a maioria dos investidores deveria recusar.

John Rekenthaler 06/08/2020 15:38:00

Abre-alas

Na semana passada, Christine Benz, da Morningstar, escreveu que a compra de ações individuais era uma "maneira TERRÍVEL de começar a investir". (Todas as letras maiúsculas, Christine?) Nem todos os leitores concordaram com ela, mas como o principal contra-argumento foi que a perda de dinheiro ensina aos investidores iniciantes uma lição valiosa, sua defesa parece questionável. Certamente, existem maneiras melhores de aprender que o fogo queima do que colocar a mão na chama.

Além do custo de oportunidade, o jovem investidor que começa com ações corre o perigo de ter um desempenho tão ruim e se desiludir, abandonando as ações. Como Mark Twain disse, um gato que pula em um fogão quente nunca mais cometerá esse erro - mas também não pulará em um frio. Não há essa preocupação ao comprar um fundo diversificado, quando a maior preocupação tende ser soltar um bocejo.

A matemática é desfavorável para o investidor em ações diretas. Os índices do mercado de ações são impulsionados por um número relativamente pequeno de grandes vencedores, que arrastam a maioria silenciosa junto com eles. Ao longo da história, o retorno médio vitalício de uma ação negociada nos Estados Unidos foi pior que medíocre; tem sido negativo. Os investidores que compram ações individuais, portanto, apresentam resultados distorcidos. Os poucos felizes têm um desempenho muito bom, enquanto os muitos infelizes ficam aquém dos índices - e dos fundos de índices.

Possuir ações individuais também pode trazer riscos desnecessários. Minha madrasta começou a investir relativamente tarde, por volta dos 45 anos, comprando uma mistura de fundos e ativos individuais. Com os fundos, ela rapidamente parou de me ligar, exceto durante as crises mais extremas do mercado. Mas ela ainda liga sobre suas ações. Sempre que uma de suas empresas passa por dificuldades, ela se preocupa. Ela ficaria mais calma se tivesse apenas fundos.

 

O Ponto De Partida

No passado, as pessoas usavam uma tecnologia chamada "telefone fixo". Às vezes, os assinantes do Morningstar ligavam para minha linha fixa para perguntar como avaliar o valor patrimonial líquido de um fundo, ou NAV. Um fundo foi negociado a US$ 7 por ação, enquanto seus rivais custam o dobro desse valor. O fundo mais barato foi uma pechincha? Ou foi descontado por um bom motivo?

Belas perguntas, para determinar se alguém pode querer possuir ações diretamente. Quem faz essas perguntas não deve, nem quem responde com uma resposta que não seja "Quem se importa?" As cotas do fundo são montantes arbitrários. Divida em dois o número de cotas, o fundo de US$ 7 agora vale US$ 14. Divida novamente as cotas, e agora ele vale $28. Agora parece "caro", mas continua sendo o mesmo fundo, com as mesmas participações e as mesmas perspectivas.

A mesma lógica se aplica aos preços das ações, com a distorção adicional de que cotações de ações muito baixas tendem a ser associadas a empresas que estão sofrendo. Há duas semanas, os papéis negociados abaixo de US$ 1 por ação subiram repentinamente. Parte desse desempenho foi racional, pois os sinais de recuperação econômica impulsionaram as empresas mais “fracas”, que frequentemente (embora nem sempre) têm preços baixos. Muito, no entanto, baseava-se apenas em numerologia, com os investidores acreditando que US$ 1 pode ser mais facilmente US$ 2 do que US$ 100 podem se tornar US$ 200.

(O exemplo mais citado de baixo preço, se você ainda não o encontrou, foi a Hertz Global Holdings (HTZ), que saltou de US$ 0,83 em 3 de junho para uma alta de US$ 6,25 cinco dias depois - um ganho de 553%, que, se mantida por um ano inteiro, permitiria que o investidor sortudo possuísse uma ilha não tão pequena. A ação desde então recuou para US$ 1,40, que é aproximadamente US$ 1,40 a mais do que muitos especialistas pensam que a Hertz vale, já que atualmente está envolvida em processo de falência.)

 

A Cabeça E O Coração

Comprar ações baratas de um centavo apenas porque são baratas é especulação. O mesmo acontece com a estratégia de compra de ações, porque elas já subiram, conhecidas como perseguição de tendências. Ambas as abordagens podem ser mascaradas como conscientes se o ambiente de investimento estiver amigável. No entanto, lucrar com a emoção é insustentável. Eventualmente, como no colapso das ações pontocom, aqueles que investem por instinto são punidos.

O que nos leva, finalmente, ao título desta coluna. O momento de comprar ações diretamente é quando o investidor se torna suficientemente instruído (não há barganha com as cotas dos fundos!). Além disso - e para ecoar Christine - estes não devem ser os investimentos iniciais. Não importa quão minuciosamente pesquisado ou quão experiente seja o investidor, as ações individuais podem fracassar. Assim, elas devem ser compradas somente após o investidor ter construído uma base de fundos diversificados.

Sob tais circunstâncias, os investidores têm uma chance real de se beneficiar de suas experiências. Comprar por caprichos não é instrutivo. Aqueles que erram pela emoção cometerão erros semelhantes no futuro. Com o tempo, eles podem sair do campo completamente. Por outro lado, os investidores que perdem dinheiro com ações bem pesquisadas e compreendidas provavelmente aprenderão com a experiência. Eles podem cometer novos erros, mas é improvável que repitam os erros anteriores.

 

Colocando Em Prática

Uma abordagem razoável é ingressar em um clube de investimentos, no qual os membros dividem seus recursos. Esse processo não apenas reduz o risco aumentando a diversificação, pois um maior patrimônio permite que o clube possua mais ações, mas também incentiva a análise. Comprar novas ações significa convencer outros membros a aceitar a decisão, e é mais provável que essa persuasão seja obtida citando análises do que apelando para emoções.

Se alguém não deseja ingressar em um clube, talvez por medo do pensamento de grupo, a pesquisa individual é certamente aceitável. Mas somente se rigorosamente monitorado e rastreado. Faça os cálculos; anote as projeções; revisite os resultados. Compreender a matemática do investimento é uma condição necessária para manter as ações diretamente, mas é insuficiente. O conhecimento deve ser acompanhado de disciplina.

Em resumo, Christine estava correta. (Palavras que ela apreciará.) Os iniciantes não devem possuir ações diretamente, nem outras, a menos que tenham aprendido o currículo de investimentos e estejam dispostos a fazer o trabalho. Essa não é uma lista muito longa. O resto de nós (eu me declaro culpado de não cumprir o requisito de disciplina) é melhor aconselhá-lo a ficar claro. Seremos muito mais monótonos nas festas, mas provavelmente também mais ricos.

 

Artigo original em https://www.morningstar.ca/ca/news/203452/when-to-buy-stocks-directly.aspx

Securities Mentioned in Article

Security NamePriceChange (%)Morningstar Rating
Hertz Global Holdings Inc1,32 USD-2,94

About Author

John Rekenthaler

John Rekenthaler   é vice presidente de Research da Morningstar.

© Copyright 2020 Morningstar, Inc. Todos os direitos reservados.

Termos de Uso        Política Privacidade        Cookies