Investir em Fundos Com Consciência Climática: Um Olhar Sobre os Produtos

Os analistas da Morningstar analisam mais de perto os fundos disponíveis para investidores conscientes do clima.

Hortense Bioy, CFA 14/07/2020 00:16:00

Se há uma lição que a pandemia de coronavírus ensinou aos investidores, é que um evento imprevisível em grande escala tem o poder de levar a economia global a uma parada repentina. Um paralelo pode ser traçado com as mudanças climáticas, agora amplamente reconhecido como um risco sistêmico igualmente grande para a economia global. E ainda não podemos imaginar ou prever completamente como isso pode afetar os portfólios de investimento.

As mudanças climáticas se tornaram uma das maiores questões de sustentabilidade para as carteiras de investimentos. Os investidores tornaram-se cada vez mais conscientes de que uma maior variabilidade climática e eventos climáticos extremos mais frequentes podem ter efeitos consideráveis nos negócios. Eles também estão reconhecendo que o mundo deve passar de uma economia baseada em combustível fóssil para uma economia de baixo carbono mais cedo ou mais tarde. A transição cria riscos e oportunidades tangíveis para os investidores.

Exploramos o aumento de fundos sensíveis ao clima e a exposição ao carbono desses fundos em nosso artigo, "Investindo em tempos de mudança climática". Aqui estão algumas de nossas descobertas.

 

O Crescimento Das Opções Para Investidores Com Consciência Climática

Os gestores de ativos na Europa responderam a essa nova dinâmica lançando uma enxurrada de fundos sensíveis ao clima e aprimorando as estratégias existentes para incorporar os objetivos das mudanças climáticas. Em 31 de março de 2020, havia 405 fundos abertos e fundos negociados em bolsa com um objetivo de investimento relacionado ao clima na Europa, representando cerca de 60 bilhões de euros em ativos. O gráfico abaixo mostra os lançamentos desses fundos na última década.

 

Fundos Com Consciência Climática Com Acesso a Menor Intensidade de Carbono

Usamos o conjunto de métricas de carbono da Morningstar para testar as reivindicações feitas por fundos sensíveis ao clima e descobrimos que eles cumprem amplamente suas promessas. Por exemplo, o gráfico abaixo mostra que, em relação a seu benchmark, praticamente todos os fundos de baixo carbono fornecem acesso a empresas com menor intensidade de carbono (conforme definido por Emissões totais/receita).

 

Além disso, nossa análise mostrou:

  • Constatamos que 149 dos 206 fundos com números de intensidade de carbono oferecem uma melhoria no Morningstar Global Total Market Exposure Index, que serviu como benchmark de mercado. A maioria desses fundos de baixa intensidade de carbono se enquadra nas categorias Baixo Carbono, Ex-Combustível Fóssil e Consciente do Clima. Os únicos fundos de baixo carbono que possuem maior intensidade de carbono do que a linha do benchmark são os fundos de mercados emergentes, o que não surpreende, já que as carteiras de mercados emergentes normalmente possuem mais empresas intensivas em carbono do que as carteiras de mercados desenvolvidos.
  • Comparado com o seu próprio benchmark, todos, exceto um fundo de baixo carbono, atingem uma intensidade reduzida de carbono, com a maioria alcançando uma redução na intensidade de carbono entre 20% e 40%.

 

Fundos Com Consciência Climática Expostos a Maior Intensidade de Carbono

Por outro lado, a maioria dos fundos de Soluções Climáticas e Energia Limpa/Tecnologia exibem pontuações de intensidade de carbono mais altas do que o Morningstar Global Target Market Exposure Index.

Isso reflete que, juntamente com os desempenhos puros no setor de energia renovável, como os fabricantes de turbinas eólicas Siemens Gamesa Renewable Energy (GCTAF) e Vestas Wind Systems (VWSYF), que possuem baixa intensidade de carbono, muitos portfólios Soluções Climáticas e Energia Limpa/Tecnologia investem em empresas que operam negócios intensivos em carbono. Por exemplo, a NextEra Energy (NEE), uma das principais usinas eólicas e construtoras e operadoras de energia solar nos Estados Unidos, exibe alta intensidade de carbono porque mais da metade de sua capacidade de geração ainda depende de combustíveis fósseis. E a Orsted da Dinamarca (DOGEF), a maior empresa de energia renovável do mundo, carrega muito menos intensidade de carbono, mas ainda pontua mais que o benchmark, pois seu mix de energia consiste em 19% de carvão e 17% de gás. As variações dessas empresas na intensidade de carbono refletem diferentes estágios de sua jornada de transição.

O gráfico abaixo mostra as pontuações relativamente altas dos fundos de Soluções para Clima e Tecnologia Limpa/Tecnologia em soluções de carbono, com os fundos de Consciência Climática acompanhando de perto.

 

Observando mais de perto a relação entre exposição às soluções de carbono e risco de carbono, descobrimos que muitos fundos de Soluções de Carbono e Energia Limpa/Tecnologia apresentam alguns dos mais altos riscos de carbono - indicando que as empresas que detêm são bastante vulneráveis à transição de baixo carbono.

Essa pontuação de alto risco, mostrada no gráfico abaixo, ocorre novamente porque esses fundos mantêm empresas em transição que continuam operando em setores intensivos em carbono enquanto desenvolvem soluções que as ajudam a reduzir suas emissões de carbono. Participações comuns como Iberdrola (IBDSF), Enel (ESOCF) e Orsted têm scores de risco de carbono médio, enquanto First Solar (FSLR), Siemens Gamesa Renewable Energy e Vestas Wind Systems têm scores de risco de baixo carbono.

 

Como Investidores Com Consciência Climática Podem Selecionar Efetivamente Fundos

Ao escolher investimentos, os investidores conscientes do clima devem considerar cuidadosamente suas preferências ecológicas e apetite pelo risco de carbono.

Nossa análise mostra que os fundos Ex-Fossil Fuel ou Low Carbon fornecem a maior proteção contra o risco de carbono, mas oferecerão pouco em termos de soluções de carbono. Por outro lado, os fundos de Energia Limpa/Tecnologia oferecem alta exposição a soluções de carbono conforme o esperado, mas também atualmente detêm o maior risco de carbono do grupo.

Isso, no entanto, não deve afastar os investidores. A justificativa para investir em soluções de carbono não é apenas lucrar com seu potencial sucesso, mas também ajudar a fornecer capital e apoio para que essas soluções existam. E se essas empresas conseguirem fazê-lo com sucesso, terão evitado o risco de carbono no processo.

 

Artigo original em https://www.morningstar.com/insights/2020/05/05/investing-in-climate-aware-funds

Securities Mentioned in Article

Security NamePriceChange (%)Morningstar Rating
Enel SpA10,22 USD3,02
First Solar Inc92,45 USD2,26
Iberdrola SA13,63 USD2,08
NextEra Energy Inc75,97 USD1,80
Orsted A/S173,71 USD-3,42
Siemens Gamesa Renewable Energy SA33,25 USD0,76
Vestas Wind Systems A/S191,45 USD1,40

About Author

Hortense Bioy, CFA

Hortense Bioy, CFA  é diretora de pesquisa de fundos passivos na Europa.

© Copyright 2020 Morningstar, Inc. Todos os direitos reservados.

Termos de Uso        Política Privacidade        Cookies