Perguntas e Respostas: Identificando Oportunidades Através da Análise ESG

Masja Zandbergen, chefe de integração de sustentabilidade da Robeco, discute como o ESG se encaixa na estratégia da empresa.

Morningstar 16/04/2020 16:00:00

Nota do editor: esta é uma série de perguntas e respostas com profissionais do mercado financeiro sobre como eles estão incorporando fatores ambientais, sociais e de governança em suas abordagens de investimento e suas visões sobre o risco ESG.

 

Masja Zandbergen ajuda as equipes de investimento da Robeco, uma gestora internacional de ativos sediada na Holanda, a incorporar o ESG em seu processo de investimento. Ela ajudou a estabelecer a gestão ativa, a abordagem de proxy e o envolvimento corporativo da empresa, em 2003. Ela diz que Robeco e a empresa irmã, RobecoSAM, que se concentra no investimento sustentável, veem os riscos relacionados ao ESG sob uma perspectiva de avaliação. "Nossos pesquisadores quantitativos criaram uma maneira de descarbonizar o fator de valor".

 

Por que a Robeco integra ESG em todos os seus processos de investimento?

Acreditamos que contribui para a sociedade e nos torna melhores investidores. Obriga-nos a adicionar uma visão ainda mais a longo prazo e a olhar para as informações que outros gestores de fundos não veem como relevantes ou não têm experiência suficiente para fazer bom uso. Nossas equipes de investimento podem contar com a experiência de longa data de nossa equipe de pesquisa em investimentos sustentáveis na RobecoSAM e da equipe de propriedade ativa da Robeco.

Quero deixar claro que a integração ESG não leva necessariamente a evitar empresas "ruins" imediatamente. Isso leva as empresas "ruins" a se tornarem menos atraentes do ponto de vista da avaliação. E aplicamos isso a todas as estratégias que gerimos - não apenas às estratégias sustentáveis. Uma consequência é a multiplicação do poder cerebral. Nossos pesquisadores quantitativos criaram uma maneira de descarbonizar o fator de valor, e nossos analistas fundamentalistas estão trabalhando em cenários climáticos para analisar melhor o impacto nas empresas de energia.

 

Como a análise ESG ajuda os investidores a avaliar o risco?

Não acreditamos que isso ajude apenas a avaliar riscos. Também ajuda a identificar oportunidades. Em uma estratégia de investimento focada em empresas com crescente fluxo de caixa livre e alto ROIC, como nossa estratégia fundamentalista de ações global, nossa análise ESG, na média, na verdade aumenta nossos preços-alvo. Se encontrarmos empresas interessantes e elas tiverem um bom gerenciamento de questões ESG, isso aumenta nossa convicção.

Nas abordagens baseadas em valor, como nossas estratégias fundamentalistas de Ásia-Pacífico e mercados emergentes, e nas estratégias de crédito, o foco é realmente identificar riscos. Os investidores em crédito são realmente penalizados quando as empresas não podem pagar empréstimos. Em mercados emergentes e estratégias de valor, o truque é evitar as armadilhas de valor. Temos muitos exemplos em que a má governança corporativa nos impediu de investir e isso acabou nos ajudando tremendamente.

 

Existem setores em que a análise de risco ESG é particularmente vital?

Os riscos ESG são mais vitais em indústrias intensivas em carbono e indústrias com alto risco de violações de direitos humanos e acidentes, como energia, serviços públicos, fabricantes de automóveis, empresas de mineração etc.

 

Fora da governança e das mudanças climáticas, quais são alguns riscos ESG menos conhecidos?

Quando analisamos classes e setores de ativos, descobrimos que a governança corporativa é de longe o tópico mais importante, e o clima e a eco-eficiência ficam em segundo lugar. Questões sociais, quando somadas, também são muito relevantes, mas existem muitas categorias diferentes. Encontramos gestão de capital humano, incluindo gestão de inovação; gestão da cadeia de abastecimento; e licença para operar - como as empresas estão operando em suas comunidades - para ser importante.

Alguns tópicos que foram adicionados como novos temas de engajamento em 2019 para nossa equipe de propriedade ativa foram questões sociais relacionadas à inteligência artificial, assistência médica digital, plásticos descartáveis, governança corporativa em mercados emergentes e biodiversidade.

 

Você escreveu que a exclusão não é a melhor abordagem para a sustentabilidade. Como uma empresa de combustíveis fósseis pode fazer parte de uma estratégia de investimento sustentável?

Uma empresa de combustíveis fósseis que está se preparando e trabalhando para a transição energética e possui alta ecoeficiência, boa gestão de saúde, segurança e direitos humanos, e nenhuma controvérsia grave ainda pode fazer parte de uma estratégia sustentável. Nesses casos, no entanto, fazemos um grande esforço para se envolver com essas empresas.

Porém, estratégias sustentáveis, embora em rápido crescimento, ainda representam a minoria de nossos ativos - e dos ativos do mercado. Se realmente levarmos a sério a criação de impacto, precisamos agir sobre todos os ativos que gerenciamos. Temos um histórico de 15 anos de envolvimento com empresas em suas práticas ambientais e uso de nossos direitos de voto para apoiar propostas de acionistas que ajudam a lidar com os riscos das mudanças climáticas. Nós fazemos o que falamos, já que nossa própria organização é certificada como neutra em carbono por muitos anos.

Uma abordagem abrangente que inclui todos os ativos gerenciados pela Robeco, não apenas os fundos sustentáveis, leva em consideração os modelos de negócios e o impacto da avaliação, em oposição a exclusões simples.

 

Este artigo foi publicado originalmente na edição do primeiro trimestre de 2020 da revista Morningstar. Saiba como os profissionais financeiros podem se inscrever gratuitamente.

 

Artigo original em https://www.morningstar.com/articles/963205/qa-identifying-opportunities-through-esg-analysis

About Author

Morningstar  

© Copyright 2020 Morningstar, Inc. Todos os direitos reservados.

Termos de Uso        Política Privacidade        Cookies