As 10 Histórias Sobre Investimentos Sustentáveis de 2019

Examinamos os desenvolvimentos e consideramos suas implicações para 2020.

Jon Hale 10/01/2020 00:09:00

1. A Crescente Urgência das Mudanças Climáticas

A exposição direta a eventos climáticos extremos e voláteis estimulará o aumento da preocupação dos investidores sobre o risco climático em seus portfólios.

A mudança climática está se tornando uma preocupação mais imediata, pois as pessoas em todos os lugares estão enfrentando na pele eventos climáticos extremos e incomuns. O mês mais quente de julho já registrado ocorreu este ano, e 2019 está a caminho de ser o segundo ano mais quente desde que a coleta de dados de temperatura começou em 1880. Estas tendências e eventos, além daqueles além de nossa experiência direta, estão constantemente nas manchetes, interpretados no contexto das mudanças climáticas e ao lado de um fluxo constante de relatórios científicos, todos apontando para a mesma conclusão: que as mudanças climáticas causadas pelo homem estão aquecendo a Terra e mudando seu clima, e os piores efeitos ainda podem ser evitados pela redução drástica dos gases de efeito estufa nas próximas duas décadas.

Espero que os investidores se preocupem cada vez mais com o impacto das mudanças climáticas em seus portfólios. Eles querem reduzir o risco climático, e há algumas evidências acadêmicas de que já estão fazendo isso. Um grupo de pesquisadores suíços constatou que os fundos da Morningstar rotulados como "baixo carbono" apresentaram fluxos líquidos mais altos em comparação com fundos semelhantes.

Espero que mais investidores queiram carteiras livres de combustível fóssil, enquanto a demanda para abordar soluções de mudança climática por meio de investimentos também aumentará. Enquanto isso, os gestores de ativos aumentarão seu foco nos riscos físicos das mudanças climáticas. A Wellington Management, por exemplo, firmou parceria com o Woods Hole Research Center para mapear as áreas do mundo em que as mudanças climáticas tornarão cada vez mais difícil a operação de empresas de vários setores.

 

2. A Mudança para o Capitalismo de Stakeholder

Investidores sustentáveis podem ajudar a promover o capitalismo de stakeholders (partes interessadas).

O mundo está mudando de idéia sobre qual deve ser o objetivo das corporações, conforme ilustrado pela declaração da Business Roundtable sobre o objetivo corporativo divulgada em agosto. Em um significativo afastamento da visão de longa data de que o objetivo principal de uma corporação é maximizar o valor para os acionistas, a declaração da Business Roundtable disse que o objetivo de uma corporação é servir e criar valor para todas as partes interessadas.

Embora as estratégias de investimento sustentável variem em suas abordagens específicas, em algum nível a maioria delas está tentando identificar empresas que busquem valor para os stakeholders, evitar aquelas que não busquem e se envolver, como acionistas, com as que possuem, para incentivá-las nessa direção.

É mais provável que as corporações adotem uma visão centrada nos stakeholders se tiverem uma base de apoio dos investidores. O investimento sustentável eleva o nível do investimento tradicional, apoiando a transição para este novo paradigma do capitalismo de stakeholder.

 

3. A Votação por Procuração e o Engajamento dos Acionistas Ocupam o Centro do Palco

O ownership ativo é fundamental para o investimento sustentável.

Os investidores continuaram a tendência de maior apoio às resoluções dos acionistas relacionados ao ESG na temporada de 2019. As resoluções ESG atraíram, em média, o apoio de quase 30% das ações votantes nas assembléias anuais das empresas norte-americanas. Esse é o nível mais alto de apoio nos 16 anos nos quais a Morningstar possui dados de votação por procuração.

Os investidores sustentáveis também aumentaram o engajamento direto com as empresas, assumindo questões relacionadas ao ESG, como armas, opióides, equidade de gênero e mudanças climáticas em 2019. O Climate Action 100+, por exemplo, é um grupo de investidores globais que se envolvem com empresas emissoras de gases de efeito estufa sistemicamente importantes, sobre o alinhamento de suas estratégias de negócios aos objetivos do Acordo de Paris. O relatório de progresso do grupo para 2019 descreve seu progresso em instigar as empresas a estabelecer metas de redução de emissões e a implementar estratégias concretas para alcançá-las.

Muitos dos maiores gestores de ativos preferem envolver-se de forma privada com as empresas sobre questões ESG e muitas vezes se opõem à maioria das resoluções dos acionistas que têm essas mesmas preocupações, a menos que acreditem que seus esforços de engajamento falharam. Embora nem toda resolução ESG mereça aprovação automática, uma política geral de voto rotineiramente contra (e a favor da administração da empresa) resoluções ESG dilui a influência que os investidores sustentáveis podem ter sobre essas questões.

Os gestores de ativos precisam ser mais transparentes sobre a comunicação de seus compromissos ESG aos acionistas. E aqueles que geralmente se opõem às resoluções de acionistas relacionados ao ESG precisam reconsiderar esta postura, à medida que mais investidores usarão o voto por procuração para avaliar o comprometimento do gestor.

 

4. Voltando no Tempo na SEC

Uma SEC partidária procura limitar as propostas dos acionistas e alterar o processo de votação por procuração.

As propostas dos acionistas são um meio crítico de comunicação entre as empresas e seus acionistas - especialmente os acionistas individuais que são capazes de propor resoluções ao lado de grandes acionistas institucionais. Ao longo dos anos, as resoluções dos acionistas ajudaram a colocar as questões ESG na frente e no centro dos radares de muitas empresas, ajudando-as a resolver os problemas antes que sofram as consequências financeiras de ignorá-los.

Em um momento em que o voto por procuração e o engajamento dos acionistas estão se tornando mais centrais à governança corporativa, a Securities and Exchange Commission (SEC) dos EUA está se movendo para limitar estas atividades. Durante a temporada de procuração deste ano, a SEC estava mais disposta a permitir que as empresas deixassem as resoluções dos acionistas fora da urna porque eram consideradas negócios comuns e fora do escopo de supervisão dos acionistas.

Em novembro, a SEC aprovou, por 3 a 2, com maioria de comissários Republicanos, para aumentar os limites para os acionistas proporem resoluções nas reuniões anuais das empresas e para aumentar os limites para reenviar tais resoluções nos anos seguintes. A comissão também propõe limitar a influência dos consultores por procuração, que auxiliam os gestores de ativos no processo de votação por procuração.

O processo de criação de regras da SEC continua em andamento, sujeito a comentários do público, portanto as regras não são finais. Eles estão sendo pressionados por grupos comerciais com sede em Washington, estreitamente alinhados com os três comissários republicanos, que não estão satisfeitos com o crescente apoio a propostas de acionistas sobre riscos climáticos e melhores divulgações sobre gastos políticos e lobby corporativos.

 

5. O Interesse no Investimento Sustentável Continua a Aumentar Entre os Investidores Individuais

Um tsunami de ativos a seguir?

A cada dois anos, desde 2015, o Morgan Stanley faz uma pesquisa com investidores individuais sobre seu interesse em investimentos sustentáveis. Em 2015, 71% manifestaram interesse. Este ano, 85% indicaram interesse (e 95% dos millennials). E, talvez mais revelador, uma proporção muito maior em 2019 disse que estava "muito" interessada em investimentos sustentáveis. Em 2015, apenas 19% disseram estar "muito" interessados, mas este ano 49% o disseram.

Então, por que esse interesse não se traduz em ativos investidos? Estar interessado em investimento sustentável não acelera as atividades de investimento de alguém. A maioria das pessoas muda seus investimentos apenas ocasionalmente, e geralmente apenas quando uma nova ocasião se apresenta (uma herança, por exemplo, ou um grande bônus). No caso dos millennials, muitos ainda estão nos estágios iniciais de seus investimentos pessoais. O interesse no investimento sustentável não transforma repentinamente as pessoas em investidores. Mas, quando estiverem prontos para investir, o farão de maneira sustentável. É por isso que acredito que ainda estamos nos primeiros dias do crescimento em investimento sustentável. Um relatório do Bank of America de setembro concluiu que um "tsunami de ativos está prestes a investir" de forma sustentável nas próximas duas décadas.

 

6. Fluxos nos Fundos Sustentáveis dos EUA Mais do que Triplicaram em 2019

Quarto ano consecutivo de fluxos recordes.

Se não é exatamente um tsunami, uma grande onda de fluxos chegou aos fundos sustentáveis este ano. O fluxo líquido estimado em fundos sustentáveis abertos e/ou negociados em bolsa disponíveis para investidores dos EUA atingiram US$ 17,7 bilhões até novembro. Isso é mais que o triplo do recorde de um ano civil inteiro, estabelecido em 2018.

 

7. Um Forte Ano Para o Desempenho dos Fundos Sustentáveis dos EUA

Os fundos sustentáveis têm o melhor desempenho em várias categorias.

Até novembro, os retornos de quase dois terços (65%) dos fundos sustentáveis abertos e/ou negociados em Bolsa foram classificados na melhor metade de suas respectivas categorias da Morningstar. Os retornos de 37% estão no melhor quartil, enquanto os de apenas 15% estão no pior. Os retornos de fundos sustentáveis se colocaram no melhor quartil de 27 categorias diferentes.

Entre os fundos Large-cap mistos (Blend), os retornos de quase metade (48%) dos fundos sustentáveis está à frente do S&P 500 no ano até o momento, em comparação com apenas 22% do total dos fundos large-blend.

Esses resultados, próximos aos resultados de 2018, fornecem mais evidências de que as preocupações com o desempenho devem ser tranquilizadas. Fundos sustentáveis não são todos iguais; eles diferem na maneira como aplicam os critérios ESG e em suas abordagens gerais de investimento, mas em várias categorias estão demonstrando desempenho competitivo.

 

8. Muito Mais Fundos "considerando" ESG

Faz alguma diferença na forma como são geridos?

No ano passado, muitos fundos convencionais nos EUA adicionaram critérios ESG ao prospecto, elevando o total para cerca de 500. Esta tendência reflete a percepção por parte de muitos gestores de ativos de que a consideração de questões ESG resulta em uma análise de investimento mais completa. Até o momento, existem poucas evidências de que a "consideração" ESG esteja realmente afetando esses fundos.

Espero que essa tendência continue, mas os gestores de fundos precisarão fazer um trabalho melhor, mostrando a diferença que a consideração do ESG faz para ser credível com investidores sustentáveis.

 

9. Aprimoramento no Morningstar Sustainability Rating

Uma avaliação mais robusta do risco ESG incorporado em um portfólio.

O aprimoramento do Morningstar Sustainability Rating foi lançado em novembro, com um foco maior na materialidade financeira das questões ESG. Agora, ele reflete as avaliações de risco ESG dentro e fora do setor.

Uma esmagadora maioria dos fundos sustentáveis diversificados recebe 4 ou 5 globos, muito mais do que a porcentagem de fundos de Consideração ESG ou fundos convencionais que recebem 4 ou 5 globos.

 

10. Investimento de Impacto

Fazendo a diferença.

Se o risco ESG é uma palavra de ordem do investimento sustentável, impacto é o outra. Fazer a diferença através de investimentos ressoa com as pessoas. Os fundos que praticam ownership ativo por meio de engajamento e votação por procuração podem ajudar as empresas a enfrentar seus desafios de sustentabilidade e reduzir o risco ASG, criando impactos sociais positivos além dos retornos financeiros.

Vimos o lançamento de vários fundos explicitamente orientados para impacto em 2019 e espero ver mais ainda em 2020. Além disso, espero que mais gestores de ativos publiquem relatórios que comuniquem os impactos sociais de suas estratégias sustentáveis. Muitos deles usarão os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU como estrutura.

 

Artigo original em https://www.morningstar.com/articles/959379/10-sustainable-investing-stories-of-2019?utm_source=twitter&utm_medium=social

About Author

Jon Hale

Jon Hale  Ph.D., CFA é o Head de Sustentabilidade da Morningstar.

© Copyright 2020 Morningstar, Inc. Todos os direitos reservados.

Termos de Uso        Política Privacidade        Cookies